quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Stolen d'água (Wasserbretzel)

(Receita da minha sogra Ilse)

Comi desse stolen um natal após o outro, sempre admirado com seu inigualável sabor. Quando minha sogra me contava que a massa crescia submersa em água fria, duvidava. Cheguei a pensar que por não desejar passar a receita adiante, inventava a tal história do stolen aquático. Receita nunca encontrei em lugar algum. Cheguei a ler comentários sobre Wasserbretzel em fóruns na internet. Há uma versão semelhante na Dinamarca até. Um dia a minha sogra se cansou de cozinhar e me ligou para perguntar se eu gostaria de tentar a receita. Na verdade, não era seu o desejo mas o dos outros integrantes da família que não podiam imaginar um natal sem o bolo clássico do café da tarde. Foram alguns telefonemas que acompanharam a preparação do stolen. A velha sabe das coisas e me explicou todos os detalhes da lenda. Aí está, na sua íntegra, salvo para a posteridade. Quanto ao nome do bolo, esse sim merece aperfeiçoamento. 



Ingredientes:
  • 500 g de farinha de trigo
  • 50 ml de leite
  • 42 g de fermento fresco
  • 250 g de manteiga em temperatura ambiente
  • 3 ovos
  • 1 pitada de sal
  • 150 g de açucar refinado
  • 100 g de frutas cristalizadas picadas (usei limão)
  • 150 g de uvas-passas escuras
  • 100 g de amêndoas em tiras tostadas
  • 150 g açúcar de confeiteiro


Modo de preparo:
  1. Misture o fermento com 1 colher de chá de açúcar e o leite morno e deixe descansar por 5 minutos. 
  2. Em uma bacia, misture a farinha e o sal. Faça uma cavidade no meio e acrescente os ovos levemente batidos, a manteiga em pedaços, o fermento e misture. Trabalhe a massa até homogeinizar. 
  3. Embrulhe a massa em um pano de prato e dê um nó. Encha uma bacia funda ou um balde com água fria. Coloque a massa embrulhada na água. Quando boiar, estará pronta para a próxima fase – isso leva entre 15 e 30 minutos. 
  4. Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada. Acrescente o açúcar e as frutas e misture delicadamente, sem sovar. Forme o stolen e coloque-o sobre uma forma. Asse em forno preaquecido 180° por 50 minutos. Espere esfriar. 
  5. Misture o açúcar de confeiteiro com umas colheres de água (ou rum) até obter uma pasta. Despeje sobre o stolen e decore com as amêndoas tostadas. Embale em filme-plástico ou papel-alumínio. O stolen se mantém fresco por até 2 semanas.


7 comentários:

Bergamo disse...

Não me diga que não voltou, pq sei que voltou...e voltou com a corda toda (o "voltar" é tão importante que aparece 3 x na mesma frase...rs)
Bom ver suas receitas e ler seus textos ;)
Abraços
Bergamo

Juliana Vermelho Martins disse...

Não vi que você tinha voltado a escrever!
Agora não vai dar tempo de ler e comentar, mas eu volto. No fim do mês porque agora vou fazer uma viagem MUITO importante! Não precisa ficar com ciúmes :-)

Kelly disse...

Hummmmm, adoro voltar depois de longas férias e ver que tem muita coisa deliciosa para atiçar a vontade de comer tudo!
Vou poupar a prazerosa leitura, pois sabe-se lá quando você volta.
Continuo fiel ao seu cantinho, não importa que prometa as coisas da boca pra fora, afinal eu não acredito mesmo... hahaha
Beijos, e um lindo ano pra você.

Bigode de chocolade disse...

Obrigado, Kelly...
Se eu só comesse o que posto por aqui, já estava mortinho de fome. Mas suas palavras me motivam. Um ano lindo para você também.

Jux disse...

Queridíssimo!
Fiz esse lindão ae... mas o danado não flutuou...
Quando vc diz água fria é fria-fria ou pode ser, digamos, fria-gelada?
Usei água da torneira - que aqui na Nutellaland é beeem gelada - e o GelbSubmarine não flutuou...
Mesmo assim, fiz a receita, assei e o trem ficou delícia!
MArido alemón amou e aprovou!
E esse será meu "bolo de aniversário" a ser degustado com os sogros no próximo domingo, afinal, nada como uma receita alemã feita por uma brasileira... para impressionar os inlaw's da Kartofelland!

beijukkkka :D

Bigode de chocolade disse...

Queridissíma, Jux
Já fiz algumas vezes esse Stollen – às vezes boia que é uma beleza, às vezes emerge só um pouquinho. O importante é que a massa dobre de volume. A água é fria tipo frio-de-torneira. Já encontrei em fóruns variações com água morna, mas aí a coisa fica fácil demais. Acho que com água gelada, dá certo também... talvez demore um pouco mais para levantar. Experimente misturar um pouco de açúcar no começo para dar uma ativada no fermento. Sei lá. Minha sogra (meu deus, estamos falando das sogras!!!) salpica com as lascas de amêndoas antes de assar e depois cobre com o açúcar de confeiteiro. Eu não gosto, pois as amêndoas torram e amargam. Como a velha não assa mais nada, fica contente com o que eu levo. Tente de novo e me conte. Abraço. PS. Que lisonjeio fazer receita daqui.

Isabela Santos disse...

uau! Adorei. Fora que ficou lindo.